segunda-feira, 12 de junho de 2017

À JOANA D’ARC
(Mártir da Mediunidade)

Amarrada à fogueira, a Donzela agoniza,
Condenada sem culpa a exemplo do Senhor,
De que ela fora outrora o amigo traidor,
Que ao Sinédrio O vendeu por quantia precisa...

De olhos postos no Céu o pranto lhe desliza
No rosto juvenil da mocidade em flor,
Ante as chamas cruéis do fogo abrasador,
Que a Inquisição acende e mantém por divisa...

Ao sucumbir, porém, a heroína da França,
Em meio ao fogaréu, enquanto a morte avança,
Vislumbrou um clarão mais brilhante que o Sol...

Um Homem de olhar terno a estender-lhe a mão,
Diz ao beijar-lhe a face, em doce entonação:
- Joana, vem a mim... És uma alma de escol!...

Olavo Bilac

(Página recebida pelo médium Carlos A. Baccelli, em reunião pública do Lar Espírita “Pedro e Paulo”, na manhã de sábado do dia 10 de junho de 2017, em Uberaba – MG).










4 comentários:

  1. Bom dia, Amigos Espirituais, visíveis e invisíveis! Amor, Luz e Paz! Judas Iscariotes e Joana d'Arc. Na sua poesia, o nobre irmão Olavo Bilac (Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac, 1865-1918), escritor e poeta, esclarece, mais uma vez, a ligação espiritual entre Judas Iscariotes e Joana d'Arc, o mesmo Espírito vivenciando experiências evolutivas em épocas diferentes. Essa ligação é mencionada também, em 19-05-1935, na obra "Palavras do Infinito" (LAKE), capítulo 5 - Judas Iscariotes, no qual Humberto de Campos Veras (jornalista, escritor, político, 1886-1934) conversa com aquele irmão que estava visitando Jerusalém ("...a Cidade Santa..."). Depois, esse mesmo diálogo é reproduzido em "Crônicas de Além-Túmulo" (FEB, 1937), do mesmo autor, em 5. Certamente, existe uma razão de ser dessa poesia: não nos esqueçamos do fato histórico em 09 de maio de 1920: o papa Bento XV (Giacomo della Chiesa, 1854-1922) cananizou-a como Santa Joana d'Arc. Léon Denis (1846-1927) narrou a sua história em "Joana d'Arc, médium' (FEB) e ela mesma descreveu-a em "A História de Joana d'Arc ditada por ela mesma" (1855) através da médium Ermance de la Jonchère Dufaux (1841-....), obra que Allan Kardec comentou em Revista Espírita de janeiro de 1858 (FEB). Nesse comentário ele escreveu "...Embora a faculdade da senhorita Dufaux se preste à evocação de qualquer espírito, de que nós mesmos tivemos provas nas comunicações que ela nos transmitiu, sua especialidade é a História..." Pensemos, pensemos e pensemos...Deus abençoe a esses nobres Espíritos narradores da História Universal! Um abraço fraternal! Cadichon Pirilampo!!!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Baccelli,
    Linda mensagem!
    Uma excelente semana, e força na tarefa!!!
    Abraços!
    Tuca.

    ResponderExcluir
  3. Linda poesia. Grande Espírito iluminado, Joana D'arc!!! Ah! Como eu queria saber amar como tu sabes. Obrigada Olavo Bilac, Obrigada Baccelli.

    ResponderExcluir
  4. Estamos abertos e prontos ao conhecimento profundo de todas as naturezas dentro e envolta de nós temos o básico de toda a doutrina. Na mediunidade abrangemos uma vastidão onde colocamos as pontas dos pés e pontas dos dedos na esperança de assimilarmos todas as orientações para nosso adiantamento no plano... abraços fraternos.

    ResponderExcluir